Brasil assina acordo para redução de 144 mil toneladas de açúcar dos alimentos
28/11/2018
Frutas vermelhas, alimentos ricos em vitamina C e oleaginosas podem ajudar na prevenção do câncer de pele
15/01/2019
Exibir tudo

ESPECIAL Novembro Azul: Atletas x Diabetes

Rodrigo Araújo

Oi, pessoal! Hoje eu vim falar de um assunto bem sério e que pode acometer pessoas de todas as idades: o diabetes. Aliás, algum tempo atrás eu falei sobre pré-diabetes e os cuidados que esse estado da saúde requer. Se você ainda não leu, corre lá, é importante saber.

A minha pretensão não é dar um diagnóstico de diabetes por aqui. O que eu quero é levar conhecimento a vocês e deixar o alerta sobre os cuidados que podemos tomar para reduzir o risco de desenvolvimento da doença. Dito isso, vamos lá.

O nome completo desta doença é Diabetes Mellitus, por isso, quando se trata de abreviar os tipos mais conhecidos, utilizamos as siglas DM 1 ou DM 2.

O DM 1 é ocasionado pela falta de produção do hormônio insulina pelo pâncreas e, obrigatoriamente, exige que o paciente tenha um tratamento à base da aplicação desse hormônio. Se você conhece um diabético, já deve tê-lo ouvido dizer que “toma insulina”. Normalmente, o DM 1 acomete crianças e jovens, mas não significa que pessoas mais velhas não possam desenvolvê-la.

O DM 2 é mais frequentemente visto em adultos a partir dos 40 anos e é o tipo mais comum: 90% dos pacientes diabéticos apresenta esse tipo da doença. Neste caso, há produção de insulina pelo pâncreas, entretanto, o hormônio não consegue manter a glicose em níveis normais. Neste tipo, o tratamento com insulina pode ou não ser necessário.

Os índices de pessoas que têm o DM 2 são altos porque podem se relacionar com o tipo de vida que a pessoa leva. Isto quer dizer que a alimentação inadequada e o sedentarismo podem, sim, ajudar a desenvolver o diabetes.

PRINCIPAIS SINTOMAS DO DIABETES

Embora existam esses dois principais tipos de diabetes, ambos guardam algumas semelhanças em relação aos seus sintomas: sede, diurese (muita vontade de fazer xixi), emagrecimento excessivo, cansaço e alterações visuais.

Pessoal, eu vou reforçar: não existe diagnóstico pela Internet! Se você se identificou com esses sintomas, procure um médico endocrinologista e faça os exames. Estas alterações podem ser decorrentes de outras causas, nem sempre significam diabetes.

Se você é diabético ou conhece alguém que tenha diabetes, separei alguns sites que tratam com mais profundidade este assunto e como conviver melhor com a doença. Vale a pena passar por eles:

Sociedade Brasileira de Diabetes

Eu e a Bete – História, informação e motivação sobre diabetes

 

ALTA PERFORMANCE EM ATLETAS COM DIABETES É POSSÍVEL!

Por muito tempo, as pessoas com diabetes eram orientadas a realizar esportes de baixo impacto. Mas, isso não é verdade! Por isso, separei alguns nomes de atletas de alta performance e de variados esportes para que você entenda que a diabetes não é uma doença limitante:

 Washington (Coração Valente), jogador de futebol com passagens pelo Fluminense e São Paulo. Aliás, além do diabetes, Washington também tem problemas cardíacos e, mesmo assim, jogou futebol até os 36 anos.

Nacho Fernández, jogador de futebol da seleção espanhola e do Real Madrid;


Adam Morrison, jogador de basquete da NBA, com passagem pelo Lakers;

 

Steve Redgrave, remador 5 vezes medalhista de ouro nas Olimpíadas. Desde que se aposentou, já correu várias vezes a Maratona de Londres; 


Gary Hall Jr., nadador e ganhador de 10 medalhas olímpicas.

 

Além desses atletas, eu estou trazendo para vocês a entrevista que fiz com o Rodrigo Araújo. Ele me contou coisas muito importantes sobre o diagnóstico e a relação com o esporte:

Rodrigo Araújo

Meu nome é Rodrigo Araújo (@rodrigoaraujotri), tenho 37 anos, sou casado sem filhos, profissional de marketing natural de São Paulo com residência em Alphaville-Barueri.
Minha história no esporte começou em 2004 quando fui diagnosticado Diabético Tipo 1 (insulino dependente) aos 23 anos de idade.

Sempre pratiquei esportes (natação, judô, futebol), mas comecei a correr depois do diagnóstico.

Diagnóstico x Esporte

Os primeiros meses do diagnóstico foram bem difíceis, pois além da falta de informação tive dificuldade em encontrar o tratamento adequado. Tive muito medo é claro, mas com o tempo vi que com uma boa alimentação, medicamentos e a prática de atividade física poderia ter uma vida “normal”.

Comecei a correr semanas depois do diagnóstico (na verdade era um aquecimento de 2KM – 3KM antes dos treinos de musculação). Em pouco tempo já estava focado na corrida fazendo meus primeiros 10KM com a glicemia muito mais controlada.

Nunca pensei em participar de uma prova até ser convidado para uma corrida no Parque do Ibirapuera meses depois. Desde então nunca mais parei. Parti para a Meia Maratona e me tornei maratonista depois de 1 ano. Uma realização incrível para quem achava que iria morrer por conta do diagnóstico.

Foram 10 anos correndo diferentes distâncias, mas ainda faltava algo. Por isso, resolvi buscar o grande sonho de me tornar triatleta e completar o IronMan. Como vocês sabem o IronMan é uma modalidade de alto rendimento que exige extrema dedicação de profissionais e amadores. Sendo que o desafio de controlar a glicemia nos treinos e provas torna tudo ainda mais difícil.

Estou no Triátlon há pouco mais de 2 anos e já completei 3 IronMan 70.3 (Buenos Aires, Rio, Floripa), além do IronMan Brasil este ano.

Hoje me sinto feliz e realizado por construir essa incrível trajetória. 

Família

Meus pais me apoiaram muito no início, ajudando com medicamentos e alimentação mais saudável. Quando conheci a Alê (minha esposa) já fazia maratonas e tinha hábitos saudáveis. Ainda assim, ela me levou para outro patamar com sua disciplina e determinação. Ela também corria e sonhava em fazer Triátlon. Construímos nossa história no esporte juntos e hoje o IronMan é parte do nosso estilo de vida.

A Alê tem uma excelente noção do que me faz bem e procura sempre ensinar os amigos para que eu fique bem dentro e fora de casa.  Temos uma alimentação super saudável, composta de alimentos naturais, além de suplementos e fórmulas que ajudam na qualidade de vida e nos treinos. Tudo com ajuda da nossa querida nutri.

O diagnóstico e o esporte mudaram minha vida, por isso meu propósito é ajudar outras pessoas a encontrar o caminho. Assim, minha trajetória “Do Diabetes Ao IronMan” tem inspirado muita gente a ter uma vida mais saudável.

Tenho a felicidade de ter a Johnson & Johnson (com a marca One Touch) como parceira e patrocinadora, mostrando minha história como exemplo de superação.

Sempre digo que essa vitória não é só minha, mas de todos aqueles que acreditam em seus sonhos e se dedicam para um dia chegar lá. Costumo falar com muitas pessoas que convivem com a doença (pacientes e familiares) e sei que o processo de aceitação do diagnóstico é bem difícil, mas procuro mostrar que com o tempo, tudo isso pode se transformar numa grande oportunidade de ter uma vida feliz e mais saudável.


O esporte é elemento fundamental na manutenção da vida saudável e, com o diabetes, não seria diferente. Já falei, por exemplo, sobre como mulheres com câncer de mama que correm ou caminham regularmente têm maior probabilidade de levarem uma vida normal e com menor risco de morte em virtude da doença.

E, assim como eu sempre falo sobre o acompanhamento médico ao iniciar uma atividade esportiva, eu reforço a importância de uma consulta com um especialista para quem tem qualquer um dos tipos de diabetes. Os aspirantes a atletas que têm a doença precisam de alguns cuidados extras.

Dentre os pontos de atenção, vale citar: em quais horários se alimentar, com qual nível de glicemia o atleta deve estar ao iniciar a prática esportiva, se será necessário aplicar insulina ao longo da atividade física etc.

Pessoal, o diabetes requer atenção. Mas, essa não é uma doença que tira você de campo, especialmente quando o tratamento é feito com o acompanhamento certo. E tenha a alimentação saudável e o esporte sempre como aliados!

Até a próxima 🙂

Giulianna Pansera
Giulianna Pansera
Eu sou a Dra. Giulianna Pansera, médica endocrinologista, mãe, maratonista e promotora da vida saudável. Eu escrevo este blog como forma de motivar as pessoas a estudarem mais sobre os benefícios que o estilo de vida saudável pode oferecer e apoiar as boas escolhas alimentares e esportivas. Você pode me acompanhar por aqui e em meus outros canais, no Insta e no YouTube. Em "Sobre a Giuli" você pode ver o meu perfil completo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *